Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
13/04/20 às 11h45 - Atualizado em 13/04/20 às 11h45

Seagri defende saúde pública e economia por meio de controle da brucelose em bovinos

COMPARTILHAR

 

Na última semana, foi realizada uma ação da Secretaria de Agricultura do Distrito Federal (Seagri), por meio da Subsecretaria de Defesa Agropecuária (SDA), para controle e erradicação da brucelose. Foram realizados exames de rotina em bovinos de duas propriedades rurais, cujos resultados acusaram a presença de brucelose em dez fêmeas.

 

Após o diagnóstico, o Serviço de Defesa Agropecuária foi comunicado de imediato. Em uma ação articulada entre as três diretorias da SDA, foram adotadas as medidas previstas no Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose Animal (PNCEBT), descritas pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA).

 

A equipe da Diretoria de Sanidade Agropecuária e Fiscalização (DISAF) foi até as propriedades envolvidas e verificou a marcação da letra P na face direita das vacas, uma exigência para identificação dos animais positivos para brucelose. Em seguida, as fêmeas foram recolhidas pela Diretoria de Fiscalização de Trânsito (DIFIT), e levadas a um abatedouro registrado na Diretoria de Inspeção de Produtos de Origem Animal e Vegetal (DIPOVA).

 

No abatedouro, foi realizado o acompanhamento de todo o processo de abate por parte da DIPOVA. As vacas foram colocadas em um curral separado e encaminhadas para procedimentos específicos de abate, chamado de abate sanitário. Toda a indústria interrompeu as demais atividades, e os funcionários foram orientados quanto aos riscos e cuidados a serem tomados para que não fossem contaminados, com uso completo de equipamentos de proteção individual (EPIs) e higienização pessoal e de todos os materiais e instalações ao término das atividades.

 

Após o abate, algumas carcaças foram destinadas a aproveitamento condicional (quando apenas uma parte pode ser destinada a consumo humano) e outras foram descartadas, sendo enviadas para a graxaria, para uso na confecção de produtos de higiene e limpeza.

 

“A brucelose é uma doença de importância para a economia e a saúde pública, acometendo várias espécies, inclusive humanos. Nos bovinos, causa problemas reprodutivos, como aborto e baixa fertilidade nas fêmeas, e esterilidade nos machos, provocando prejuízos econômicos para a pecuária”, alerta o diretor de Sanidade Agropecuária e Fiscalização, Vinícius Campos.

 

A principal forma de prevenção da doença em bovinos e búfalos é a vacinação contra brucelose, atividade que deve ser supervisionada por médicos veterinários. A legislação preconiza a vacinação das bezerras entre três e oito meses de idade, permitindo, atualmente, também a imunização de fêmeas em idade mais avançada, com vacina específica. No Distrito Federal, os profissionais da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater-DF) vacinam os animais contra brucelose bovina, atendendo gratuitamente à demanda dos produtores.

 

Nos humanos, a brucelose causa inicialmente febre alta e dores na cabeça e no corpo. Com o passar do tempo, os sintomas retornam mais intensos, levando a febre alta recorrente, dores musculares, de cabeça e nas articulações, além de perda de peso, entre outros. Em casos mais graves, pode afetar o funcionamento de vários órgãos.

 

“A brucelose é considerada uma doença ocupacional, pois boa parte da transmissão aos humanos ocorre no manejo dos animais na fazenda, principalmente no parto de vacas contaminadas, e na aplicação da vacina contra brucelose pelos veterinários. Mas é importante lembrar que a doença pode ser transmitida também pelo consumo de produtos de origem animal, como leite cru e seus derivados, assim como carnes cruas ou mal passadas”, destaca o diretor de Sanidade Agropecuária e Fiscalização da Seagri.

 

“A atuação da Dipova na inspeção do abate e processamento dos produtos de origem animal é fundamental para garantir que as condições sanitárias sejam adequadas, evitando a contaminação dos produtos e das pessoas que trabalham nas agroindústrias”, esclarece o gerente de Segurança e Qualidade Alimentar da Dipova, Wendel Lago.  “A realização de exames de rotina nos animais destinados aos abatedouros e a pasteurização do leite cru nos laticínios são medidas essenciais para o controle da brucelose”, complementa o gerente da Dipova.

 

Segundo Danielle Araújo, subsecretária de Defesa Agropecuária, “A equipe técnica é muito capacitada, e os setores trabalham em harmonia para garantir a prestação de um Serviço de Defesa Agropecuária de excelência. O resultado desse trabalho árduo é a proteção da população por meio da prevenção e controle de doenças de impacto na saúde pública e a garantia de um ambiente seguro para o desenvolvimento e sustentabilidade do agronegócio no DF.”

 

 

Confira mais informações sobre a brucelose no site da Seagri (http://www.seagri.df.gov.br/coordenacao-de-controle-e-erradicacao-da-brucelose-e-tuberculose/)

 

 

Texto: Ascom / Seagri