Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
22/01/20 às 16h49 - Atualizado em 22/01/20 às 16h49

Parceria entre Mapa e Seagri-DF busca melhorias na gestão de serviços de inspeção

COMPARTILHAR

 

 

 

A Secretaria da Agricultura do Distrito Federal (Seagri-DF), em parceria com Secretaria de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura (SDA/Mapa), está implementando, em fase piloto, um Sistema Eletrônico para Gestão dos Serviços Oficiais de Inspeção de Produtos de Origem Animal, Vegetal e Insumos Agropecuários (e-Sisbi).

 

O e-Sisbi é integrado pelos módulos SGSI – Sistema de Gestão de Serviços de Inspeção e pelo SGE – Sistema de Gestão do Estabelecimento, onde um responsável técnico, indicado pelo estabelecimento, recebe acesso ao sistema para fazer a gestão direta das informações de sua agroindústria. Ele proporcionará maior transparência às informações de interesse público das inspeções de produtos e insumos agropecuários estaduais e municipais

 

Segundo o secretário de Agricultura do Distrito Federal, Dilson Resende, a parceria com o Mapa é muito importante na busca por soluções de questões que atrapalham a geração de emprego e renda e o crescimento da nossa economia. “Nós estamos aqui tratando especificamente do Sisbi, mas existem muitas outras coisas importantes acontecendo e o Ministério está na vanguarda dessa evolução”, afirmou.

 

O secretário aproveitou a oportunidade para elogiar o trabalho que a equipe da Diretoria de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal e Animal (Dipova), vêm desenvolvendo nos últimos anos, que segundo ele, tem mostrado um trabalho muito importante e adequado às exigências da sociedade. “A agilidade e desburocratização é o que a gente precisa fazer para que nossos empresários cresçam e a sociedade também passe a ter o acesso ao sistema, que também é muito importante para a transparência das nossas ações”, completou o secretário Dilson.

 

O secretário de Defesa Agropecuária do Mapa, José Guilherme Tollstadius Leal, ressaltou a importância da parceria com a Seagri-DF e disse que ela é fundamental, principalmente, pela qualificação dos servidores da Secretaria e pela proximidade entre as duas instituições. “Para nós, esse sistema é muito importante. Fazer isso junto com a Seagri, além da proximidade, a gente sabe da qualificação técnica e do compromisso da equipe e isso nos dá muita segurança de fazer essa implantação, que também será expandida para outros estados. É um sistema que vai trazer benefícios para todo mundo”, ressaltou Leal.
Mais agilidade

 

Segundo a subsecretária de Defesa Agropecuária, Danielle Araújo, com esse sistema, o próprio estabelecimento ficará encarregado de inserir suas informações no sistema, diminuindo a espera, que poderia chegar a 120 dias, para até menos de 24 horas. “Vai depender só de a agroindústria registrar ou cadastrar um novo produto. No momento que ela solicita o Sisbi, o sistema já encaminha direto para a Secretaria de Agricultura para ser analisado. O serviço de inspeção liberando, o produto pode automaticamente ser comercializado”, explicou.

 

“Tudo isso ainda pode ser feito pelo celular. Esse sistema é um grande avanço na gestão do Sisbi. O serviço de inspeção ganha muito mais autonomia, eficiência e agilidade, além de aumentar a responsabilidade dos estabelecimentos em prestar informações corretas aos órgãos públicos. Se ele desenvolve um produto e está com tudo pronto para colocar no mercado, não vai ser o estado que vai postergar a comercialização”, finalizou Araújo.

 

Segundo o diretor de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal e Animal (Dipova), Marco Antônio Martins, no DF existem cinco estabelecimentos que possuem o selo Sisbi, ou seja, podem vender seus produtos para qualquer unidade da federação. “Hoje em dia, funciona assim: o estabelecimento nos comunica, nós autorizamos a produção ou o registro, e nós encaminhamos para o Mapa, que alimenta a planilha do Sisbi que vai para o site. Quando o estabelecimento aparece no site, ele está apto a comercializar. Com esse sistema nós mesmos vamos poder alimentar essa planilha”, explicou Martins.

 

 

 

 

Texto e fotos: Luiz Carlos Cenci/Ascom Seagri-DF